1
Redacção
October 28, 2019

A Importância de Ser Importante

O estudo da frequência de palavras é a prática mais comum e mais básica na análise quantitativa de uma língua. Quanto mais uma palavra ocorre, maior a importância dos conceitos com ela relacionados...

1
2
Redacção
Fotografia
:

Maior a importância do assunto para o interlocutor. Com esses dados, é possível analisar e antever tendências, identificar áreas relevantes e importantes para os interlocutores, antever zonas de potencial conflito e, no caso dos contextos multilingues onde se recorre a diferentes línguas de trabalho, prever os desafios resultantes da maior ou menor permeabilidade do sistema conceptual de uma outra língua. Com esta consciência, é possível desenvolver e preparar mais eficazmente mecanismos de comunicação que respondam às necessidades dos participantes.

Usando a lente da frequência de distribuição, e aplicando o Princípio de Pareto (ou a regra 80/20) à realidade da comunicação, observa-se que a dinâmica das línguas reflecte a dinâmica das economias. E as economias reflectem os momentos do desenvolvimento humano. A investigação levada a cabo por organizações como a DiploFoundation, por exemplo, ilustra os resultados da aplicabilidade do estudo de frequência de palavras na análise do discurso diplomático. Para além de ajudar no refinamento de estratégias de cortesia, necessárias à credibilidade negocial do orador e do país que representa, contribui para definir a linguagem diplomática emergente que precisa de ser capaz de dialogar com redes sociais e com o mundo cibernético. Muitos governos estão agora activamente a rever os seus protocolos de comunicação digital como ferramenta de apoio às missões diplomáticas. O mundo diplomático requer novos comportamentos comunicativos que respondam a novas agendas políticas geradas por movimentos sociais e fenómenos como #MeToo, #AmInext e #Covfefe. A importância de dar visibilidade aos utilizadores levou a que, em 2017, o Twitter aumentasse o limite de caracteres de 140 para 280 por hashtag, dando maior liberdade de expressão aos seus utilizadores.

E qual é a relevância destes dados para o gestor? Será o leitor naturalmente a fazer essa avaliação, mas convido-o a aceitar um desafio que tem produzido dados interessantes no estudo da comunicação por via da lente da frequência de palavras, especificamente na exploração de inferências aquando do alinhamento de valores pessoais e empresariais. Experimente ouvir-se activamente. Tome notas. Leia os emails – preferencialmente aqueles onde a sua acção como decisor está presente – e registe as palavras mais frequentes. Analise as respostas a esses emails e a respectiva frequência de palavras dos seus interlocutores. Se ainda tiver tempo e curiosidade, pense naquilo que as suas palavras poderão levar o seu interlocutor a inferir a seu respeito e se aquilo que é importante para si vai ao encontro daquilo que poderá ser importante para o outro. Analise as potenciais armadilhas de comunicação se estiver a interagir com alguém avesso ao risco e para quem o importante será assegurar a certeza no processo. Será que a sua escolha de palavras está a potenciar resistência ao consenso? Se o leitor, por exemplo, é avesso ao risco, o seu interlocutor usa um discurso que desencadeia atitudes defensivas ou gera ansiedade? Porquê? De que forma poderá estar a comunicar em resposta a essas emoções? Se descobrir algo de novo, experimente alargar o exercício aos seus colaboradores e, posteriormente, à sua comunicação externa. Estou certa de que este exercício simples trará algum dado novo. Como irá usar essa informação dependerá daquilo que é importante para si.

Tão importante como saber ler estatísticas, tabelas e projecções é ler intenções. E ler intenções passa por ler aquilo que é importante para o outro e dar-lhe a visibilidade que torna o importante individual, no relevante colectivo

Em destaque

7

Leia também