1
Hermenegildo Langa
April 24, 2019

Malawi lança primeira vacina contra a malária no mundo

A vacina tem sido desenvolvida ao longo dos últimos 30 anos e é, até à data, a única a demonstrar que pode reduzir significativamente a malária em crianças

1
2
Fotografia
:

Malawi é o primeiro de três em África em que a vacina, conhecida como RTS, S, será disponibilizada para crianças até aos dois anos de idade. Gana e Quénia deverão seguir o exemplo nas próximas semanas. A vacina foi lançada nesta terça-feira.

Ensaios clínicos mostram que imunização previne cerca de quatro em cada dez casos de malária em crianças; vacina tem sido desenvolvida nos últimos 30 anos e a Organização Mundial de Saúde (OMS) vai analisar resultados para definir recomendações.

Trata-se de uma vacina inovadora na qual se pretende através dela, reduzir o número de mortes sobretudo crianças e mulheres grávidas vítimas de malária. Durante os ensaios clínicos, descobriu-se que a vacina previne cerca de quatro em dez casos de malária, incluindo três em dez casos de malária severa.

A Organização Mundial de Saúde, OMS, saudou o lançamento no Malawi da primeira vacina contra a malária do mundo, através de um programa piloto.

Segundo a OMS, este programa piloto é projectado para gerar dados que possa ser utilizados nas recomendações de políticas da agência sobre o uso mais amplo desta vacina.

Serão examinadas as reduções nas mortes de crianças, a administração da vacina, incluindo se os pais levam seus filhos a tempo para as quatro doses necessárias e a segurança da vacina no contexto do uso rotineiro.

A vacina actua contra o Plasmodium falciparum, o mais mortal parasita da malária em todo o mundo e o mais prevalecente em África.

A vacina foi recomendada pela OMS para a introdução piloto em áreas seleccionadas dos três países africanos.

A vacina será disponibilizada por meio de programas de imunização de rotina para crianças pequenas que vivem em áreas seleccionadas dos três países. De acordo com a OMS, anualmente, pelo menos 360 mil crianças nos três países-piloto receberão a vacina nas unidades de saúde onde recebem as suas vacinações de rotina.

Em destaque

7

Leia também