1
Celso Chambisso
January 25, 2019

Moçambique entre os piores para atrair e reter trabalho qualificado

É um aspecto pouco discutido no país, mas com impacto negativo no desempenho da economia

1
2
Fotografia
:

Moçambique é um dos quatro piores países do mundo para atrair, reter e desenvolver talentos, de acordo com o mais recente Índice de Competitividade Global de Talentos. O país caiu cinco posições no ranking.

Trata-se de um assunto ainda pouco discutido pelos decisores no país, mas a fuga de capital humano (que consiste na emigração em massa de indivíduos com aptidões técnicas ou de conhecimentos, normalmente devido a factores como conflitos étnicos e guerras civis, falta de oportunidade, riscos à saúde e instabilidade política), é uma realidade que pode estar a prejudicar a economia moçambicana.

O Índice de Competitividade Global de Talentos, coloca Moçambique na 122 posição num total de 125 países estudados.

No ano passado foram 119 países analisados, menos seis países se comparado com o total deste ano. Comparando, o país caiu da posição 117ª para 122ª, superando apenas o Burundi, República Democrática do Congo e Yémen.

As medições e classificações dos países pelo Índice de Competitividade Global de Talentos tomam em consideração 68 aspectos ligados à capacidade de habilitar, atrair, reter e desenvolver talentos.

No meio lusófono, onde foram avaliados apenas três países (Brasil e Portugal, além de Moçambique, claro), Portugal é o que melhor se posicionou, ao ficar na 28ª posição e o Brasil na 72ª.

Quanto aos lugares cimeiros, o relatório revela que a Suíça, Singapura e os Estados Unidos da América continuam a liderar em competitividade de talentos, enquanto países da Ásia, América Latina e África estão a sofrer uma redução progressiva da sua base de trabalhadores qualificados.

O Índice de Competitividade Global de Talentos (lançado pela primeira vez em 2013) foi desenvolvido pela escola de negócios INSEAD, em parceria com o grupo de recursos humanos Adecco Group e a empresa Tata Communications, e foi divulgado durante o Fórum Económico Mundial que arrancou esta terça-feira em Davos, na Suíça.

Em destaque

7

Leia também